sábado, 26 de fevereiro de 2011

O que eles e elas esperam na primeira transa


Esta é uma questão que 9 em cada 10 mulheres jamais pensaram simplesmente porque estão sempre ocupadas em pensar em métodos para atrair homens sexualmente sem parecer estarem afim de sexo e mais: sem terem que se dispôr ao sexo, mas isto é assunto para outra matéria.

A matéria de hoje vai tratar de algo simples:

- O que será que um homem espera de uma mulher na primeira vez em que, finalmente, ele puderem ter sexo?

1. Um bom trato de sexo oral: primeiro que para qualquer mulher bem informada, é fácil saber que o sexo oral é uma das sessões preferidas de 11 em cada 10 caras. Segundo porque ao ter esta iniciativa você demonstrará ao cara o que muitas mulheres tentam através de ladainhas enormes e inúteis: mostrar para ele o quanto você está interessada em dar prazer à ele.

2. Fôlego: não que você deva ser uma maratonista e nem uma pobre criança num parque de diversões, mas que você tenha iniciativa e que cuide para que o cara perceba que você realmente esteja afim, tanto quanto ele, de fazer deste sexo bom para ambos.

3. Sexo de luz acesa: na hora do sexo, amiga, o cara pode reparar em tudo menos nas banhas a mais, pode apostar! Aliás, quanto mais se tenta esconder, mais evidente fica aquilo que tentamos disfarçar. Então, mostre-se segura, acenda as luzes e aposte no desempenho. Até porque, se o cara não te quiser mais depois da luz acesa, melhor que seja logo no primeiro encontro. Evitará mais transtornos emocionais do que se isto ocorrer nos próximos.

4. Que você demonstre que está curtindo a transa, também: cara amiga, você que lê o Blog sabe que tem o mesmo número de leitores homens que os de mulheres, por aqui. Logo, convenhamos que o cara sabe tudo de mulher e, cá entre nós, ainda tem direito a palpitar quando discordam. Então, nada mais certo do que o fato de que o homem quer SIM um sinal de que está indo bem no serviço e não adianta fingir, porque como já bem dissemos por aqui, isto não é enganar o cara e, sim, enganar a si mesma no fim das contas porque se você direciona o cara para o que gosta ou não, ele fará melhor PARA VOCÊ.

5. Crise emocional? Deixe para as amigas: tiveram uma transa fenomenal, um dia ultra divertido, romântico, legal, tudo de bom e, agora, você quer dar a cartada final choramingando para fazer a linha “você foi especial para mim?”??? Amiga, convenhamos: quantas mil vezes você já tentou esta tática e ainda está aí, tentando sobreviver à mais uma oportunidade de fazer dar certo? CAI NA REAL! Isto não funciona!! Então, curta, seja a melhor cia que o cara já teve ATÉ A HORA DA DESPEDIDA. Não transforme algo bom e um momento catastroficamente desastroso! Existem mais chances dele te ligar no dia seguinte se você NÃO parecer a carente retardada, vai por mim!

- O que será que uma mulher espera de um homem na primeira transa?

ATENÇÃO> ESTA PARTE É UMA SÁTIRA. Tive que escrever isto porque muitas desavisadas (para não dizer outra coisa) vieram aqui reclamar que estavam sendo injustiçadas, tadinhas…

1. Que ele a ache magra: não há como negar, a primeira coisa que uma mulher pensa quando tira a roupa para um homem é: “Tomara que ele me ache magra, especialmente mais magra que a ex dele.”

2. Que ele DIGA o quanto à acha MAGRA: dizer que ela é linda não basta. Ela quer ouvir a palavra magra! É como se fosse um mantra sexual, psicológico, afetivo, financeiro, etc.

3. Que ele veja nela a mulher mais perfeita da face da Terra: tudo o que ela fizer, disser ou parecer é, na verdade, para que ele a considere perfeita. E magra. Simples assim.

4. Que ele a faça sentir mais prazer que todos os outros de forma que ela possa fazer inveja às amigas: o prazer sexual da mulher geralmente não rola na hora da transa, rola depois, quando ela fala da transa e do cara para as amigas e o orgasmo se dá quando as amigas ficam eufóricas e loucas de inveja pela noitada dela.

5. Que o cara a peça em casamento: sim! É isto que ela quer. Um pedido de casamento, mesmo que seja para dizer não e que sirva apenas para alimentar seu ego doentio.

MdE


sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

Sentimentos x Atitudes


Não é incomum vermos pessoas julgando os sentimentos de outras por conta de uma ou outra atitude tomada pelo fulano, como por exemplo:
  • Ah… Se ele não me amasse mais não teria me ligado ontem fingindo que queria falar sobre o apartamento.
  • Até parece que um cara que vive saindo com outras gosta dela. Ela é cega!
  • Viu? Olha lá, o pai dele está doente grave e ele ainda fica todo sorridente?

Estes são apenas três dos milhares de exemplos que aposto estarem pingando em suas mentes agora, inclusive em casos de sua própria vida.

Mas o fato é que sentir é apenas sentir e agir é apenas agir. Quando combinamos UM SENTIMENTO A UMA ATITUDE, ok, podemos até aceitar que as ações e reações possam comprovar o que alguém sente. No entanto, não se esqueçam, na maioria das vezes não agimos de acordo com o que sentimos.

O mais engraçado é que quem julga o outro por suas atitudes questionando sentimentos esquece de levar em conta que talvez, na hora H, diante da mesma situação que outro ele agiria tal qual o outro agiu também ou até pior. Nós não baseamos nossos julgamentos em fatos comprovados, baseamos no que ACHAMOS que faríamos diante daquilo.

Quando meu marido morreu, por exemplo, eu gritei feito maluca no meio da rua e aqueles 5 minutos que esperamos pra chegar a ambulância pareciam horas eternas. Eu só pensava em fazer aquilo tudo parar de acontecer, aquelas pessoas em minha volta me segurando me irritavam e eu gritava ainda mais.

Aí, veio a confirmação da morte dele e eu desmaiei. Fui pra delegacia, depus por horas e finalmente cheguei em casa, tomei banho, deitei na cama e chorava, copiosamente, então liguei a tv. Pra azar total, era bem a notícia da morte de meu marido que passava e eles filmavam a frente de meu escritório, bem onde ele havia caído morto. Desliguei, tentei dormir e não consegui.

Então, fui pro computador. Entrei no msn, na comunidade que eu fazia parte, contei da morte pra uma amiga minha e dele e ela não acreditou. Fui contando até que ela se deu conta que era verdade.

Logo, todos sabiam e vinham falar comigo e tal, mas duvidando de mim.

Em paralelo a conversa era:

- “Nossa, o marido dela acaba de morrer num assalto ela vem pra internet?”

Pois eu pergunto> o que é que eu deveria fazer, então?

Qual é o protocolo a ser seguido quando você estiver sentindo uma dor só sua, intensa, latente, sem chances de cura, misturada com um trauma, com indignação, com descrença, com vontade de ter colo e, ao mesmo tempo, não querer ninguém perto te sentindo dó?

Eu deveria ter feito o quê, senhores moralistas sentimento-comportamentais?

Deveria ter me vestido de preto, com luvas rendadas e lenço, sentado em minha sala em meio aos parentes e chorado copiosamente?

Ou deveria ter ficado mongolóide e depressiva, olhando pra lâmpada e babando?

Quer dizer que só temos dor suficientemente plausível quando provamos para este mundo hipócrita que sentimos dor? Não basta passar por ela, temos que provar que a sentimos? Por quê? Pra que este prazer em ver as pessoas sofrendo e querendo sua piedade?

Não! Eu apoio todo aquele que não se entrega a dor e nem a estes bastardos que julgam melhores os que choram mais!

Chega disso! Chega de viver numa sociedade onde ser forte é ser comparado com ser frio. Onde não se basta sofrer as penas da perda, tem que provar que é uma coitada. Chega!

E que os bastardos que falam, continuem falando já que não tem capacidade de fazer melhor, nem mesmo igual!


Dra do Amor

quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

Auto reflexão


Cansada de ver e ouvir por pessoas que agem apenas pela razão, comecei a pensar em várias coisas e decidi escrever o que se passava em minha cabeça, o que penso de tudo isso, enfim… espero que gostem.

Não gosto dessa coisa de tentar me esconder atrás de algo que não sou ou que não sinto. Pessoas que optam por viver assim, na minha opinião são covardes. Parece que constroem uma armadura em volta de si por medo fazer o que realmente querem, de escutar seus corações, enfim… medo de viver e ser feliz. Tão estranho esse medo da felicidade que muitos parecem ter. É tão difícil fazer algo que vc realmente quer?

Tento entender essas pessoas mas não consigo, já sofri muito tentando entendê-las… se pudesse aconselhá-los, diria: Esqueçam a razão, façam o que querem, pelo menos uma vez e não irão se arrepender, vão por mim. Muitos me acham inconsequente, talvez eu seja mesmo, mas será que isso é um defeito? Não acho que seja… Sou apenas uma pessoa transparente, não escondo o que sinto, não escondo o que sou, não crio personagens e vou atrás do que quero e de quem eu quero, com todas as feridas que isso pode me causar. As vezes quebro a cara, sofro um pouco, mas passa, sempre passa.

Acredito que a vantagem de ser assim é nunca me queixar de estar arrependida por não ter feito algo que tanto quis nem ficar me perguntando como seria se não me faltasse coragem. E acreditem, sou bem feliz assim. Me orgulho por saber que sempre faço o impossível pelo o que eu quero!

Anita

AMOR: ferida que dói e não se sente

Camões que me perdoe, mas amor se sente sim. E como se sente… O amor é aquela coisinha que faz o mundo andar. Enganam-se quem diz que o dinheiro é quem move o mundo… É ele (o amor) que nos (des)motiva.

Quem nunca se sentiu nas nuvens por estar amando? Ou então, acordou com aquela sensação de que o mundo é perfeito do jeitinho que é. A pele fica mais coradinha, o sorriso está sempre no rosto, viramos um embaixador da paz e do amor. Gostaríamos de fazer um recorte naquele momento do tempo e ali permanecer.

Lindo tudo isso, não é?? Pena que nem sempre o amor é verdadeiro, recíproco. Quem já viveu (vive) um grande amor, com certeza já sofreu uma grande decepção amorosa.

E quem nunca sofreu? Aquela maldita dor que nos dilacera por dentro…

Os segundos são infinitos, tudo nos faz lembrar a dor. Não é fácil sobreviver a isso, pode demorar dias, meses, anos…

E para recuperar a confiança no outro? A auto confiança? A auto estima? Não é fácil…

Parece que todos os casais fofos do mundo resolvem sair e passar bem na tua frente quando te sente assim. Que vontade de esgoelá-los que dá!

Certa vez vi em um desenho animado, um gurizinho nesta situação e então ele puxa o casal e diz: “aproveitem, pelo amor de Deus, aproveitem porque nada é pra sempre vocês vão acabar separados!”, juro que me deu vontade de comer brigadeiro enrolada num cobertor sentada na cama…

Sei lá o que falar de amor… Amor não se explica se vive.

Quando eu era pequena, sempre sonhava conhecer alguém por acaso (bem aquelas coisas de filme) na adolescência e permanecer com esta pessoa pra sempre.

Na adolescência, tive fases:

- primeira: mesmo pensamento da infância;

- segunda fase: “Foda-se o mundo, o amor não existe! Já que não posso ter ninguém vou ficar com quantos puder!”

- terceira fase: conheci alguém por acaso (semelhante aos sonhos da infância) o qual acreditei ser pra sempre. Acreditei.

Hoje em dia, o amor pra mim é algo inatingível. Apenas promessas que fazemos e que acreditamos poder cumprir. Parece algo muito forte dizer isso não é? Mas é como diz a música da extinta banda Raimundos: “mulher de fases!”, na qual eu me encaixo. Mas eu adoro amar. Entrego-me de coração. Deve ser por isso que por mais curto que seja o tempo do relacionamento eu sinto uma dor muito forte no peito quando termina.

É estranho dizer que mesmo sozinhos adoramos estar amando (este amar, no sentindo de amar outra pessoa para se relacionar, não no sentido familiar).

Como assim amar estando sozinho? Tem pessoas que se amam demasiadamente e outras (nas quais eu me incluo), ta sempre vendo um filmezinho ou ouvindo uma música que nos inspire o amor…

Aquelas sessões de pipoca, cobertor, refrigerante, lenços e comédia romântica… tudo bem que eu mesma me já me disse: “Ah ta, tu acha que essa coisa melodramática vai acontecer contigo se tu continuar aí sentadinha te enchendo de brigadeiro na frente da TV?”

Mas…po… isso, se chama catarse: é quando você está, por exemplo, no teatro e ri, se emociona, fica irado, enfim sente todos seus sentimentos e ao sair dali,você sabe que não é contigo aqueles sofrimentos, alívio…

A vida continua. Vai dizer que não é melhor assim do que tu te magoar de verdade por longos períodos? Assim, fico tudo resumido no máximo em 3 horas.

E vem Camões me dizer que o amor é ferida que dós e não se sente? Poupe-me!

Josiane

quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

Vos Apresento: SUA VIDA

Certa vez me perguntaram, o que é inteligência. E essa pergunta me fez refletir sobre o que realmente poderia, ou não ser isso. Após refletir cheguei a seguinte conclusão...

Quando você nasceu era neutro, não ligava para isso ou para aquilo. Então fez amizades, e conseqüentemente aprendeu quais são as atitudes que definem a palavra inveja. Seus amigos tinham brinquedos que você não tinha, logo quando conseguia alguma aquisição digna de inveja, fazia de algum modo para conseguir exibi-la matando assim sua vontade de se mostrar superior. Então você cresceu, e.....

NADA MUDOU

O que mudou e evoluiu, mas pela maioria não é muito usada, foi a capacidade que o Ser Humano tem de raciocinar sobre os fatos, dos mais variados pontos de vista. Afinal se formos pensar apenas por nossa perspectiva, que é apenas uma, por mais que possamos ter convicção de estarmos certos, sempre existirá factualmente, 50% de chance de estarmos completamente errados. Senso absoluto não existe, agradar a todos é impossível. Sendo assim, se quiser estar certo principalmente para si mesmo, ou pelo menos para a maioria, nunca pense somente por uma unica perspectiva(a sua). Além dessa capacidade, você também tem o poder de reeducar seus pensamentos, que muitas vezes são falhos no que diz respeito ao bom convivio em sociedade. Por meio de alto reflexões e fazendo o uso do bom senso, consegue-se deixar de lado a maioria das vontades e desejos que são prejudiciais as normas de boa convivência.

Então, com base nessa minha forma de pensar, irei generalizar mesmo bem a baixo. Mas isso não significa que seja sempre assim, e exatamente dessa forma. Existem pessoas e pessoas. O texto é dedicado para o tipo, que sequer imagina que inteligência pode ir além de um diploma. Algumas pessoas por conseguirem se encaixar no sistema acham que já são donas do mundo. Não é errado se dar bem, mas geralmente esse povo gosta de exaltar o que não é. Digo, não tem humildade. E pra completar, julgam quem não seguiu o mesmo estilo de vida dela.

Todos sabemos que quando se fala em faculdade, soa sempre muito bonito. Mas na real, na Estácio em uma sala de Educação Física, por exemplo, só quem faz sabe como é: criancisse, patricinhas cabeças de vento, futilidade máxima, maria gasolina, os velhos e claro, os tipos ala geyse arruda.

E no final: Ou você acredita que se tornou mais inteligente porque aprendeu coisas que contribuiriam para o seu intelecto; ou apenas porque seguiu um padrão social e comportamental que para massa é sinônimo de inteligência. Tendo êxito assim na missão de conseguir um bom emprego, que complementando a mediocridade de sua história, ainda se levou mais pelo fator Q.I do que pelo seu diploma em si. (Q.I = Quem Indique)

Dentre essas duas opções citadas, se identificar mais com a segunda, significa que você meu caro leitor na realidade não aprendeu nada. Ainda é a mesma pessoa que não sabe formar uma opinião, sem conceitos, sem princípios, e que só provou a cada final de período, que tem uma boa força de vontade, somada a uma habilidosa capacidade de decoreba. Ou dentro do padrão que eu considero ser inteligência: burra. Só que adestrada dentro do sistema que te diz que um diploma já é bastante. Geralmente é o tipo de pessoa que quer sempre o foco da atenção, deixando claro que sabe socializar por convivência e até passar uma rasteira quando necessário. E claro, com esses atributos sendo expostos como inteligência, o fator Q.I vem a cavalo. E para não ficar mais ridículo, Deus queira que pelo menos seja um emprego no qual essa pessoa tenha se formado.

E agora esteriotipando um pouco mais esse tipo de pessoa: quem nunca viu um ser provido daquele tipo de simpatia opcional, que mantém sempre aquela falsidade amigável típica de quem já aprendeu e se acostumou a conviver dentro dos padrões da mesma. Percebemos fácil só de olhar, mais por fluir de forma tão bem trabalhada, muitas vezes não sentimos nem vontade de contra-atacar, nós deixando assim, cair naquele poço sujo, que dependendo do nivel de loucura do nosso burro em questão, pode até ser interpretado ele(a) verdadeiramente como amizade. Ou seja, além de tudo, o que é amizade para esse tipo de pessoa, se equivale a mais pura falsidade.

Vale lembrar que reconheço o esforço de qualquer um que conclua uma faculdade, embora decoreba nenhuma faça uma pessoa de fato mais inteligente, a nível da educação de que realmente o mundo precisa. Porque como sabemos, não é difícil ver hoje em dia traficantes barra pesada, com faculdade. Porque falta de princípios para entender que o crime não é uma opção, não é uma exclusividade dos que moram na favela. É sim uma realidade, para todos que não tem a devida Educação.

Vou dar exemplo:

É como na época da escola, aquelas pessoas que funcionavam como uma esponja. Absorviam todas as formulas antes da prova, faziam, tiravam 10, tinham fama de inteligente, mas não sabiam dissertar uma opinião, ou fazer uma redação na aula de filosofia. Que a propósito era tida como matéria café com leite.

Bom senso, se você tem, com certeza sabe que esse texto não está dizendo que uma faculdade é ou não necessária. Ela obviamente é necessária, mas só ela muito dificilmente irá fornecer a educação para criar pessoas das quais o mundo realmente precisa hoje, e com urgência. Educação de verdade começa em casa, e principalmente com você, de dentro pra fora: alto reflexão é a chave para começar a se moldar como uma pessoa verdadeiramente inteligente. Isso pra mim é inteligência.



Carta aberta às mulheres: deixem os cafajestes de lado.


Mulheres do mundo,

Essa é uma carta aberta a vocês. E se com ela eu ganhar a atenção de apenas uma mulher, meu trabalho estará feito. O que tenho para dizer já está resumido no título, apenas trarei alguns argumentos para ajudar na sua próxima escolha. E, pode apostar, você se dará bem com ela se seguir o meu conselho.

É sabido que uma grande parte das mulheres do mundo têm predileção pelos cafajestes. Nós, os caras “certinhos”, entendemos que eles têm algo a mais que sempre as atrai. Talvez seja a beleza de alguns deles, que lhe chama a atenção. Talvez seja a forma como tentam te convencer, a todo e qualquer custo, que são as melhores opções para aquele momento. Talvez, e em apenas alguns casos, seja a forma como eles dançam com vocês, mulheres. E sabemos que, a primeira vista, é complicado lutar com adversários que possuem armas envolventes como essas.

Mas, ao mesmo tempo, nós e todas vocês sabem como isso irá terminar. Ele não ligará no dia seguinte, ele não responderá suas mensagens no MSN nem tampouco os SMS’s, ele não irá assumir o que fez no Twitter dele e jamais fará um post em seu blog para dizer que a sua vida mudou após a noite memorável que teve. Para ele, e ambos sabemos disso novamente, você foi apenas uma peça que faltava naquela noite. E somente naquela noite, talvez acrescida de alguma(s) outra(s) onde ele esteja sem compromissos.

Por isso, mulheres do mundo, eu peço a vocês: deixem os cafajestes de lado!

Existem no mundo alguns homens que, da mesma forma que eu, valorizam as mulheres. Queremos conhece-las, queremos faze-las rir, queremos ser boa compania enquanto vocês tomam aqueles drinks coloridos… queremos uma chance, ao menos uma pequena chance, de mostrar nosso valor. E sabemos que, mesmo sem ter toda a desenvoltura ou malícia dos cafajestes, podemos nos destacar por outras qualidades, entre elas a de não fazer você esperar em vão.

Podemos não ser tão belos como os cafajestes, mas nos esforçamos pra parecermos apresentáveis e simpáticos. Podemos não dançar como eles, mas somos esforçados e podemos chegar lá, se você der essa chance. Podemos não ter a melhor primeira conversa da história, mas saberemos falar de igual pra igual na medida que nos conhecermos melhor. E, definitivamente, estaremos lá no dia seguinte, se assim for a sua vontade. E no seguinte a esse, e no próximo, e no outro…

Façam um favor a humanidade, a nós todos e a vocês mesmas: dêem uma chance aos caras menos favorecidos. A recompensa será o esforço que faremos para ve-las felizes e satisfeitas.

E que nesta dia, você pense um pouco mais na hora de escolher. Entenda que pode ser mais fácil escolher alguém que fala tudo o que você quer na hora exata em que você precisa, mas saiba que com um pouco de investimento você pode conseguir isso de nós, também. Descubra que ter alguém esforçado e encantado ao seu lado pode ser muito melhor que algumas horas de diversão, talvez um sexo de boa qualidade e lembranças de uma noite feliz, e apenas uma noite. E, por favor, perceba que sempre tem alguém do seu lado, que você talvez ignore – e nem sempre por maldade, as vezes apenas não percebe – e que agradecerá eternamente, assim que receber uma chance, além de fazer tudo o que puder pra te deixar feliz, seja por poucas horas ou pelo resto da sua vida.

No final, e eu quero que você, mulher, preste atenção nisso, valerá muito mais a pena não ter motivos pra chorar e enlouquecer quando você estiver tranquila, feliz e com alguém que faz tudo por você e pela sua felicidade.

Rafael R

Andamos no mundo como se todas as pessoas fossem a priori rasas, superficiais, enlatadas, comuns, descartáveis e sem brilho. É preciso que algo aconteça pra que esse alguém seja notado./fato

terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

Errar é humano, persistir no erro é feminino (pelo menos quando falamos de relacionamento!)

Esta frase que acabei de criar pode parecer machista para as mulheres realmente burras, mas para as inteligentes, pensantes e que buscam melhorar suas próprias vidas, será perfeitamente compreendida após a leitura de alguns parágrafos.

“Errar é humano, persistir no erro é feminino (pelo menos quando falamos de relacionamentos).”

Por quê?

Porque não é segredo para ninguém que mulher adora cometer exatamente os mesmos erros a cada relação.

Erros na escolha, erros comportamentais, de julgamento, de reação, de tudo.

Depois, ainda querem dizer que todo homem é igual!

Agora, ser diferente, agir diferente, evoluir, só uma minoria que se propõe, convenhamos.

Vamos aos fatos:

- na última relação, onde a fulana (que pode ser você, no caso) tomou um pé na bunda depois de achar que finalmente achou o cara certo.

Aí, ela se recompõe, entende que este cara não ia dar certo, blablabla. E conhece ooooutro cara.

E logo comenta com as amigas: “Nossa, este cara que estou saindo agora me lembra tanto o Adão (o ex que deu-lhe o pé na bunda, no caso).”

- Baaaaaaing! (Toca uma sirene!)

Primeiro erro repetido: ficar procurando alguém parecido com o outro. Mas até aí, beleza, dá-se um jeito, é questão de gosto e tal. Relevemos.

Então, ela começa a agir com este EXATAMENTE igual agiu com o ex.

Mas, ESPERE AÍ, se agindo assim ela tomou um lindo pezão na bunda porque diabos ela acha que desta vez, com este, a tal receita da vovó-mãe-solteira que ensinou a filha que também é mãe-solteira e que agora ensina a filha, que a é a fulana em questão e que pode ser você, talvez?

PÁRA! Se deu errado com o outro está errado agora. Ou melhor, você está errada, capitche?

Mude! Mude seu jeito, suas reações, reavalie seus comportamentos, conduza esta relação de forma diferente. Permita-se corrigir-se, evoluir!

Ou então, você vai tomar mais uns 34509345 pés na bunda até finalmente achar o cara que você acha que é o cara certo porque ele aceita você toda errada, ou seja, achar o cara mais errado de todos no fim das contas!

Pense nisto: quanto mais o cara te aceita toda errada, mais errado o cara deve ser! Porque quem é certo gosta de coisas e pessoas certas!

Então, amiga fulana (que pode ser esta aí da minha história ou não), pare de atestar nosso ditado do título da matéria e prove que:

“Errar é humano, evoluir com os erros é coisa de mulheres inteligentes!”

Aceita o desafio? Ou vai preferir ficar reclamando aí embaixo, nos comentários porque na verdade tem preguiça de evoluir? Nhein???

haha

Beijos,

Dra do Amor


domingo, 20 de fevereiro de 2011

Do que as mulheres gostam?


Essa é a pergunta mais ouvida por aí. E a afirmação é: “Mulher não sabe o que quer”.

Verdade ou mito?
Não sei. Mas eu como mulher, posso assegurá-los de que nós temos exatamente a mesma impressão dos homens.
O que não quer dizer que seja a realidade. Cada homem e cada mulher sabe o que quer individualmente. Ficou confuso? Calma aí.
O que eu quero dizer é que eu sei o que EU quero, e você sabe o que VOCÊ quer respectivamente, morou? hahae

Na verdade, só existem TRÊS tipos de fêmeas:

1- Aquela que gosta do desafio da conquista, que vulgarmente é conhecida como mulher de malandro.
Essa é aquela que só gosta do homem que a despreza e a maltrata. E não é porque ela gosta de ser desprezada e maltratada, e sim porque essa mulher não gosta de nada que vem fácil. Ela gosta de escolher, lutar e conquistar o objeto de desejo. É mimada, não desiste por nada. Chega ao ponto em que ela está insistindo só pelo desafio, porque já não sente mais nada pelo sujeito.
Ou pelo menos não assume. Quanto mais ele pisa, mais ela corre atrás, só que para as amigas ela diz que só ainda não largou de mão porque quer se vingar e fazer o camarada pagar por todas as grosserias e desfeitas que ele a fez.
Mal sabe a moça que o rapaz está de fato evacuando quilos de fezes para suas atitudes. Aí ela parte para um ataque muito mais incisivo; inventa mentira, faz escandalo… Já ouvi até dizer de mulher que diz que está gravida, só para ter sua vontade satisfeita. Em 98% dos casos, não adianta nada. Então finalmente ela desiste desse e transfere isso tudo para um outro pobre coitado.

2- O segundo tipo de fêmea é a mimada, aquela que gosta de ser paparicada e ter todas as suas vontades satisfeitas. Não é muito exigente na escolha, até porque ela prefere ser escolhida do que escolher. Isso, porque ela sabe que para ela é muito mais vantajoso estar com alguém que goste mais dela do que ela gosta desse alguém no começo. Porque ela gosta de carinho e atenção, e sabe que só um homem apaixonado por ela é capaz de lhe dar o que ela precisa e quer. E insinua o tempo todo que se o rapaz não a paparicar, ela vai dar meia volta e ficar com o próximo que a paparique. E assim o faz quando o dito cujo não lhe dá a devida atenção.
NOTA: Isso não quer dizer que ela não paparique o moçoilo. Sim, ela paparica, dá atenção e é extremamente carinhosa. Só que ela gosta de receber a mesma consideração que dá, e não aceita menos que isso.
(Eu acho justo.)

3- A treceira é a filha da puta interesseira. Pronto, já deescrevi o suficiente para você identificá-la.

Meninas, qual dessas carapuças serviu na cabeça de vocês?
E meninos, qual dessas é de sua preferência?

TPM


sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

Toda mulher precisa ter 2 homens..



...Foi provado, após acompanhamento de vários casos, que toda mulher precisa de dois homens: um em casa e outro fora de casa.

Para entender, é muito simples:
O marido cuida da parte financeira, paga as contas dos filhos, da esposa e da casa.
O outro cuida de você.
O marido fala dos problemas, das contas a pagar, das dificuldades do dia.
O outro fala da saudade que sentiu de você durante a sua ausência.
O marido compra uma roupa nova para ir a um compromisso de trabalho.
O outro tira essa mesma roupa só pra você.
O marido dorme com aquela camisola velha e de cuecas (as vezes até de meias).
O outro dorme completamente nu, abraçadinho a você.
O marido reclama das coisas que tem que consertar em casa e tem tudo desarrumado.
O outro recebe-te e tem um apartamento onde tudo está organizado e funciona perfeitamente.
O marido telefona pra casa e fica perguntando o que tem que comprar no talho, no supermercado, padaria e etc.
O outro telefona só pra dizer que comprou um champanhe que você vai adorar.
O marido reclama do chefe, do trabalho, do cansaço de acordar cedo.
O outro reclama a sua ausência e os dias que fica sem te ver.

Bem, você vai me perguntar : - Por que não trocar o marido pelo amante?
Pelo simples fato de que o amante, se for viver com você, passará para o papel de marido e logo, logo, você precisará arrumar outro.

Ah...esqueci o imprescindível.... Antes de tudo '' VIVAAAAA " !!!!



Canalha Consciente.

Tô seguindo num dilema terrível. Sinceramente não aguento mais olhar pra cara da namorada do meu amigo. Não que ela seja feia, ao contrário, ela é muito bonita. Mas, entenda, ela tá me dando mole.

Em outros casos, eu soltaria fogos de artifício, mas estou lutando para não partir pro lado mais sacana da força e isso é bem complicado.

Além de tudo, o cara tá morando bem longe e só aparece na cidade de seis em seis meses. É aí que o bicho pega. Eu sinto uma vontade do fundo do meu testículo de chegar nela e acabar logo com isso.

As coisas realmente começaram a azedar, caducar ou qualquer sinônimo escrotíssimo desse mundo. Eu já me sinto canalha, me olho com desdém, mas preciso da tua ajuda pra tomar uma posição sobre o que fazer. Essa coisa tá me consumindo.”

-Little Bastard

Caro Little Bastard,

seu amigo é um idiota completo. Ele já está fodido. O desafio aqui é como comer a devassa sem ferrar sua dignidade.

Vamos a isso.

O pulha ignora regra básica. Deixar a namorada sem pica por seis meses é o mesmo que enviar solicitação expressa de chifres ao Ministério dos Cornos, com carimbo de urgência no pedido.

Mulheres nasceram para serem preenchidas, literal e metaforicamente. Namorados são garantia de preenchimento constante, não à toa estão sempre em alta demanda mercado. Um namorado ausente significa falha em sua função primordial – o preenchimento – e consequente insatisfação de sua respectiva.

Você não seria o primeiro chifre dele.

Ainda assim, tentar avisar o mané apaixonado sobre as tendências poligâmicas de sua namorada é como dizer para uma mãe que o filho dela é feio. Não funciona. Não há como provar objetivamente falando e ela (a namorada, não a mãe da criança mutante) tem todas as ferramentas para distorcer a realidade.

Lembre-se:

A voz da boceta tende a sobrepujar a voz da razão.

Nenhuma boceta paga o peso de ferrar um amigo. Karma. Karma não perdoa e vem com juros. Não venda seus princípios por trocados.

Receita para o dilema?

Hora de ser um canalha profissional. Vá comer outras. Se afaste o máximo possível da pequena puladora de cerca, reduzindo a zero seu contato com ela. Guarde a imagem mental dela no bolso pra alimentar boas fodas com as demais.

Espere.

Espere mais.

Dê tempo ao tempo.

Pronto.

Quando eles terminarem – inevitável, quando se fala da combinação devassa + namoro à distância -, marque um boteco como quem não quer nada e dê a ela uma foda espetacular com todos os requintes de gozo que seu desejo reprimido permitir. Afinal, fantasia mal-resolvida é uma merda.

Dr. Love, espalhando amor pelo mundo

quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

Como reconhecer um otário.


Não estou dizendo que vocês precisem de ajuda, mas no mundo onde eu vivo, me deparo com milhões de mal amadas, que resmungam de homem ser complicado, ou ser safado, ou etc.

Homens são simples, coloque um halls na boca e pague um boquete, pronto, não seja qual for o problema, ele considerará resolvido. (De dívidas, a câncer). E sobre ser ‘safado’, eu defendo isso de uma visão biologia, e tal, Mas quanto ser ‘otário’…

Enfim, muitos homens podem ser otários com você, quer alguma ajudinha para identificar, antes de dar seu coração para o paspalho? vamos lá:

Ele coloca o que ele tem, na frente do que ele é.

Sacaste a frase? É o cara que vai em um lugar, estaciona o importado dele BEM na frente da party, senta no capô e espera alguma mulher vir falar com ele. E pode parecer brincadeira galera, mas há mulheres que vão chegar nele, só pelo carro, incrível! Você reconhece, também quando ele fica falando o quanto ganha, quantos apartamentos tem, e ele faz questão de transformar isso, na melhor qualidade dele. Porque?! Porque bem, isso pode mesmo ser a melhor qualidade dele, o que faz dele um puta babaca.

Ele gosta de contar vitória.

Não é surpresa que a maioria dos homens tem um ego frágil, (experimente rir do pênis dele para comprovar isso, pensando bem, não faça isso, é maldade). Então, e o artifício que alguns usam para massagear o próprio ego, e contar vantagem. Mas preste atenção, não é o cara que comenta algo entre amigos, isso imagino que todo homem faça. É o cara que vive repetindo, quantas ele já comeu, o quanto ele é foda na cama, o quanto é gigante o pau dele. E se prestar atenção tudo quantitativo, e não qualitativo. É o cara que vai pegar na sua bunda, e mandará recado até para o seu pai, dizendo que você deixa gozar na boca, e ainda engole.

Falta sinceridade.

E quando ele fala que o celular tá sem bateria, que o telefone da casa dele tá quebrado, que ele não pode sair com você hoje, porque ele está em Pequim. Calma, pode ser tudo verdade, claro. Mas preste atenção, confiança não é inerente a alguém, ele precisa merecer sua confiança. Então, desconfie. Mas claro, de uma forma saudável. Porque a viagem para Pequim, pode muito bem, ser a esposa dele.

Ele coloca sua aparência na frente do que ele é.

A mesma coisa do primeiro tópico, só que o objeto em questão, é a aparência física dele. Ele é bonitão, ou tem um puta estilo. Ok, legal, qualidades para ele. Mas quando isso começa a sobrepor quem ele é, ele também vira um babaca. Tenho uma amiga que é Modelo (Aliás, uma das mulheres mais lindas que conheço) e ela vive me dizendo que muitos desses caras de TV, de Revista, são muito desagradáveis. Prepotente-potentes a ponto de tornar uma relação saudável e madura, impossível.

Fanatismo.

Tá, isso não é um ponto tão fudido, porque muitos homens são fanáticos por futebol.Mas fanatismo meeesmo, obsessão, é triste. Porque ele irá te colocar para trás, e/ou te largar, por alguma questão interna a sua ‘liga.’ Seja religiosos, contra-religiosos, políticos, esportes, etc. Fanatismo aliás, não é saudável para ninguém.

Pitbull.

Há mulheres que gostam desse tipo de homem, é o mesmo tipo de mulher, que é assassinada em algum sítio, e vira comida de cachorro. Agora Porque?! Esse é o cara que briga por brigar na boate, ele gosta de porrada, com certeza já acertou a costela de alguma. Ele recompensa alguma deficiência, algum trauma de infância talvez, ou simplesmente segue opiniões alheias da massa ignorante, esse tipo com certeza é um babaca. Ele trabalha os músculos, pois adivinhem, é isso mesmo, ele não tem cérebro.

Preconceituoso/Machista/Ciumento.

De todos os tipos de preconceito. Ele não pega ônibus porque não gosta de pobre, ou não vai em certo bar, porque da muito viado e sexta a noite, ele não deixa você sair, porque bem, sexta é dia dele sair para beber, e pegar umas putas, enquanto você tem de ficar em casa e lavar a roupa dele. Eu aproveitei e juntei com outro aspecto, o Ciúme. Normalmente caras assim, são ciumentos de forma doentia, consideram a mulher um objeto dele, onde os mesmo devem declarar posse. O raciocínio dele, é o mesmo que de um cachorro urinando para demarcar território. A convivência com uma pessoa ignorante, pelo menos no meu ver, é quase impossível. Acreditem, existem homens assim, e pior! Há mulheres que se deixam levar por eles.

terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

Garotas assistem filme pornô?


Poder-se-ia dizer que todo ser humano curte uma pornografia, mas não vou generalizar porque, como os comentaristas de blog dizem, generalizações são idiotas. Eu poderia dizer que ao menos todos os homens curtem um vídeos e filmes pornôs, mas conheci bem uns 3 ou 4 na minha vida que não gostavam. Nunca entendi o porquê.

Arriscando um radicalismo desnecessário, diria até mesmo que é anti-natural uma garota dizer que não se excita vendo pornôs.

Talvez ela não se excite vendo este ou aquele pornô específico; por existir uma vasta gama de taras registradas em vídeos, pode acontecer de ela assistir meia dúzia de estilos que não se encaixem em suas fantasias. Em vez de se excitar, ela sente nojo, repulsa. Amiguinha, isso é normal. Anormal é você não sentir nem um pouquinho de tesão em nenhum filme pornô. Explico-lhes.

Cês já ouviram falar em neurônios-espelhos? Eles são, basicamente, o que te torna um humano com comportamentos normais e comuns a (quase) todos humanos que nos cercam. No meio educacional tem um ditado em inglês que nos é bem popular: “Children see, children do”.

Isso resume a forma como você se tornou um adulto de comportamento social normal. Vendo as pessoas rindo, dançando, confraternizando, se comunicando, enfim, sendo gente, foi que seu eu-de-muitos-anos-atrás aprendeu a ser gente. Neurônios-espelhos são a razão de você não ser autista, a razão de você mostrar a língua ou rir para um recém-nascido e ele te mostrar a língua ou rir de volta, a razão de você se sentir machão após assistir Rambo IV. Esses neurônios-espelho nascem em você, vão morrer com você…

E vão se masturbar com você, por supuesto.

Se você é uma moça que ri em filmes de comédia, se emociona em dramas, chorou no episódio de Pokémon quando o Ash tem que soltar a Butterfree, significa que seus neurônios-espelhos estão em pleno funcionamento. Ao ver um pornô, automaticamente e biologicamente seus neurônios-espelhos te põem naquela situação (ui, delícia). E daí a naturalidade óbvia de se excitar assistindo a um pornô, apesar de que, dependendo da criação e crenças da moça, ela pode negar ou reprimir isso.

Pensando em como existem mais pornôs do que peixes no oceano, não sei como tal beleza cinematográfica não caiu no gosto massivo das mulheres. Quero dizer, só 66% das mulheres curtem assistir filme pornô? É pouco. Acho que os 34% restantes precisam conhecer estilos diferentes, ver as pornografias certas que lhes agradam.

É muito difícil mesmo pra gente se excitar vendo um monte de fluídos voando pra lá e pra cá; afinal, somos mulherzinhas, mas acreditem em mim, garotas: existe pornografia boa. Junte-se aos 66%!

BEL

segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

Tamanho é ou não documento?


Ocasionalmente, encontro-me com um rapaz ou outro, que é bonito, inteligente, interessante, bom de papo e… dúbio em relação ao tamanho do próprio pinto.Faço questão de deixar bem claro que essa é uma preocupação relativamente frequente; não é trauma de moleque, ou mimimi de adolescente inseguro. É uma fragilidade masculina real. Não que afete todos os machos, porém é bem mais recorrente do que se possa imaginar. Diria até que é equivalente ao trauma feminino de “Tô gorda”. Inseguranças em relação à auto-imagem sempre vão existir, em ambos os sexos.Este é um pequeno assunto que tem, geralmente, entre 10 e 20 centímetros de enorme relevância. Diz respeito não apenas a centímetros cúbicos cilíndricos ostentados sob suas veias parrudas e enrijecidas, mas a toda a sua presença como macho. Ter dúvidas em relação ao seu próprio pau é ter dúvidas em relação ao seu desempenho como ser humano – e isso, meu amigo, é próprio da natureza de todos nós.Eu vou contar um negócio pra vocês. Você já ouviu falar em absorvente interno? O.B.? Tampax? Sabe o que é, né? É uma rolha que a mulher põe lá no útero durante seu ciclo menstrual, diferente dos absorventes “tradicionais” que são de colocar na calcinha.Pois bem, o absorvente interno é colocado (com o dedo, geralmente) lááá dentro da caverninha, no colo do útero, à distância de um dedo indicador da entrada da vagina. Pois bem, depois que a gente coloca o absorvente interno, a mulherada pode correr, pular, sentar, levantar e agachar que ela não sente, de forma alguma, o absorvente dentro dela. Se sentir algo incomodando é porque colocou do jeito errado ou não empurrou o suficiente, já que o absorvente interno foi feito pra não ser sentido.Como vocês sabem (espero), o canal vaginal não é todo sensível, só os primeiros 4 ou 5 centímetros. Cara, estamos falando de um dedo indicador. Não é possível que seu pinto seja menor que meu dedo indicador. Se for, aí sim você pode fechar a janela e ir cortar os pulsos de decepção, mas eu garanto que meu instrumento é menor. Segundo a régua do Microsoft Word, possuo 7,5 cm de dedo indicador. E ainda assim, a vagina sente menos que isso.Em verdade vos digo: diâmetro é documento. O comprimento nem tanto, só serve pra impressionar na primeira tateada.Ou seja, caros amigos rola-fina: mais vale um mini-pau gente boa que um berinjelão cujo pinto grande é a maior qualidade. Se seu melhor atrativo pode ser medido em centímetros, você não passa de um babaca biologicamente sortudo. É o mesmo princípio das mulheres-melancias/melões/morangos: se o que elas têm de melhor a oferecer para o seu parceiro e para o mundo é o corpo, a bunda empinada e os mamilos de fora, meus parabéns: o mais longe que se chega nessa situação é nas páginas das revistas de mulher pelada. Pelo menos elas recebem mais dinheiro e de maneira mais fácil do que eu. Droga, odeio ter que rever meus conceitos.Vocês sabem tanto quanto eu que mulher é bicho burro, e é mais burro ainda quando tá apaixonado. E nem precisa estar apaixonada, pra dizer bem a verdade. Veja bem, se eu conheço um cara que é sexy, gente boa, engraçado, inteligente, rico galanteador, gentil e interessante, pouco me importa se ele tem pau grande ou pau pequeno. Uma parte do corpo boa pode ser o suficiente pra um homem querer comer uma mulher, mas não basta ter um extintor de incêndio pra mulher querer comer o homem.Como já me ensinou a mamãe, quando eu tinha uns 16 anos e ainda era virgem, “Não importa o tamanho, e sim o movimento”. Mãe sabe de tudo, né?Era uma vez eu, que conheci um cara baixinho e magrinho. A minha experiência de vida me diz que são justamente os baixinhos e magrinhos que possuem os menores instrumentos, apesar de que já vi gordinhos bem miudinhos também… Enfim, o cara tava me xavecando e era uma gracinha etc e tal. Beijo pra cá, beijo pra lá, e no meio do vuco-vuco quem é que fica pensando “Aaai, não vai rolar por que ele deve ter uma minhoquinha de nada”? Eu é que não. Uma mulher tem que ser muito escrota pra levar em consideração apenas o tamanho do charuto, tal qual aquelas que só levam em consideração o carro ou o salário do cara.Pra minha sorte, Deus viu que eu estava sendo uma boa samaritana e me compensou com uma senhora latinha de Red Bull. Ainda assim, teria acontecido mesmo se eu fosse castigada com um quiabo. E mesmo a minha experiência com quiabos não é de todo ruim, pelo contrário. Como eu disse pra G., homem-quiabo geralmente sabe que não é bem dotado e capricha bem no resto.Digamos então, que, da mesma forma que você adora uma mina peituda mas o tamanho dos peitos não é fator decisivo, a gente também gosta de uma jabulani grandona, mas é como se fosse um mega bônus, e não o conteúdo principal. É nessas horas que a gente vê que alguns ditos populares estão sempre certos: “Não importa o tamanho da varinha, e sim a mágica que ela faz”.

Abracadabra, amigos.


Bel

domingo, 13 de fevereiro de 2011

Quem é você ?

Você sentou novamente em frente ao computador, abriu o navegador e voltou a desperdiçar seu tempo.

Enquanto continua lendo o texto de um cara que não sabe absolutamente nada sobre o que escreve, não vai adicionar nada à sua cultura, ou mesmo tem alguma influência no assunto, o mundo lá fora pressiona algum outro idiota a fazer o mesmo que você.

Faz alguma ideia da importância disso? É, imaginei que não, mesmo.

A sua vida é este sonho onde a lucidez é apenas uma ilusão com a qual você alucina nos raros momentos onde para e pensa em alguma coisa que não seja um monte de porcarias aleatórias. Olhos abertos, olhos fechados, dormindo ou acordado, qual a diferença? Você não tem autonomia alguma para decidir nada. Nem mesmo o que, em quem ou como quer pensar.

Enquanto você continua lendo, numa tentativa de encontrar respostas, seus problemas permanecem lá, do mesmo jeito. Sua vida permanece cheia de crises, pendências e uma completa ausência de sentido. “Vazio” é a palavra que descreve tudo. O melhor que consegue fazer para mudar é contratar uma diarista, comprar um sofá e uns tapetes para decorar o apartamento, arranjar uma namorada e levá-la para passear no shopping.

Você não tem coragem sequer de sentir dor. Fica ansiando pela felicidade como uma criança assistindo ao Rei Leão, achando que um dia vai ser rico e substituir seu chefe. Abre o seu navegador no Blog, esperando que alguém lhe diga como, o que ou quem você deve ser, imaginando a vida de pessoas que pensa serem diferentes de alguma maneira especial. Seres fora do planeta Terra. Exemplos a seguir. É assim que um homem realmente deve ser?

Por algum motivo, você é incapaz de admitir que é um nada, que a sua presença na Terra significa tanto quanto um átomo de um grão de areia na praia. Não tem coragem de imaginar seu próprio caixão com o cadáver do que um dia pensaram ser você, lá dentro. A ideia de ter uma vida finita o amedronta tanto que isto o torna uma vaca dócil no abatedouro.

Precisa saber que o seu último dia chegará e pode ser daqui a algumas horas. Precisa saber responder, sem hesitar, o que você quer fazer com o pouco tempo que possui. Pintar, bordar, plantar uma árvore, ser uma estrela do rock, não importa. Você precisa saber.

Se você espera que eu abra as portas da esperança, traga alguma receita de felicidade ou um passaporte para a ilha da fantasia, sinto muito. Não é sobre felicidade que vim falar. Não vou ensinar como ser mais forte, mais bonito, mais inteligente, ganhar mais dinheiro ou conquistar mais mulheres. Não, nada disso. Tudo o que sei é sobre perda, sofrimento, vício, desilusão, batalhas e, principalmente, derrotas.

Eu digo: pare de lamentar suas derrotas. Pare de sofrer inutilmente. Aprenda a gostar disso. Perceba o sabor do sangue na sua boca quando o soco chega. A falta de ar quando o impacto atinge o seu estômago. A poeira no rosto quando você cai de cara e não sobra mais nada. Note o brilhantismo deste momento. A oportunidade única que chega agora. Ria diante da dor, aproveite para sair do torpor e lembrar, alguma vez, o que é realmente se sentir vivo.

Você nunca será feliz. Nunca terá a vida que deseja. Nunca conseguirá gerar as condições perfeitas para atingir a realização definitiva. Se esperar por isso, a morte vai chegar e não vão subir os créditos, ninguém vai aplaudir e nenhuma luz vai acender. Nada de autógrafos e sucesso. Apenas a cova fria e escura. Parece assutador? Você não sabe onde estive.

Se eu perguntasse quem é você, provavelmente viria cheio de frases prontas. Um monte de besteiras. Músicas que gosta, filmes, lugar onde trabalha, suas mazelas nos relacionamentos, a cidade onde cresceu e as expectativas salariais dos próximos anos. Você não é nada disso.

Luciano Ribeiro

Carnaval e Micaretas !



Onde eu assino ? hahahuahhuhua

Showw....

sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011

A difícil arte de admitir o fim de um relacionamento e seguir.



Num belo momento percebemos que não sobrou mais alternativa alguma. Todas as esperanças se esgotaram. Os telefonemas doloridos, as mensagens cuidadosamente compostas, encontros aleatórios forjados e demais rituais do pós-término simplesmente cessaram. Diante de nós um passado cada vez mais distante e uma estrada a se percorrer. Assustadoramente promissora.Quando nos pegamos de frente para a necessidade de seguir, temos a ilusão de parecer mais fácil permanecer parado, esperando por um milagre. Nos seguramos a qualquer pequena certeza que possa trazer a mínima expectativa de tê-la de volta.Vasculhamos emails, procuramos por fotos em redes sociais, forçamos caminhos, vamos aos mesmos lugares para gerar novamente “coincidências” que tornem possível um reencontro. Tudo porque queremos, desesperadamente, estar errados e ver que aqueles filmes que assistíamos juntos falavam a verdade.Os dias vão correndo, a eles juntam-se semanas, meses e em alguns casos extremos, até anos. Tudo depende de uma escolha pessoal, simples e objetiva. Pegar a estrada e avançar.

Entramos em uma espécie de limbo emocional, ao tentar recuperar condições que não mais existem. Deixamos de abrir espaço para que novas oportunidades floresçam, mesmo sabendo ser inviável o retorno ao passado. Insistimos em bater com a cabeça na parede, atacando nossa mente com perguntas sem resposta, forçando sentido numa busca para ter quem desejamos. Porém, esquecemos que, na realidade, tudo o que queremos é cessar o sofrimento – só que tentamos por meios equivocados.Permanecer preso a um relacionamento, por mais insensato que possa parecer, é um mecanismo de busca pela felicidade por meio da fuga. Fuga do sofrimento que acabará apenas movendo a engrenagem, gerando um pouco mais dor.Por acreditarmos num ideal de felicidade eterna, seguimos repetindo erros, tapando buracos, administrando dor e confusão em pequenas doses semanais. Ficamos dentro da prisão sob a condição de poder aprisionar o outro também. Tentamos evitar que a felicidade escorregue pelos dedos, num processo obsessivo-compulsivo. Somos ingênuos a ponto de acreditar que basta resgatar determinadas condições para cessar a dor.Claro, parece muito lógico. Se antes eu estava feliz e agora que ela me deixou eu sofro, evidentemente, se conseguir reestabelecer a relação, voltarei a ser feliz. O problema que a lógica deixa escapar é o fato de que tudo, invariavelmente, muda. Mesmo trazendo a pessoa de volta ao seu convívio, a bomba permanecerá ali, tiquetaqueando, esperando uma oscilação para explodir novamente.Não adianta ficar parado, remoendo dores do passado, imaginando que isso o impedirá de viver novas dores no futuro.

Luciano Ribeiro

quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

Casa Comigo !



Muito Foda auhahuauhhuahuahua

Tudo aquilo que ELA/ELE não queria falar.


Tudo aquilo que ELA não queria falar


“Eu te amo e você é o homem da minha vida. É com você que quero casar, ter filhos e envelhecer, mas no momento não posso ficar com você. Agora estou apaixonada por outro. Eu sei que isso não faz sentido algum, mas é o que sinto. Não faz sentido, é sentido, sabe assim?”

“Eu traí você por vingança. Porque eu lembro do quanto eu chorei quando você não quis visitar minha família no interior, do quanto eu queria ter dançado com você aquele dia, do quanto eu sou apaixonada por você, seu imbecil! Por todas as vezes que você me trocou pelo maldito computador, por cada uma das noites em que me senti sozinha… Não, você não sabe o que é ter um namorado e ainda assim se sentir sozinha. Traí porque eu lembro das várias vezes em que você não foi homem – foi um menino, um bebê ou apenas um babaca. Eu fiz com outro tudo aquilo que você não fez comigo. E não só sexo, mas andar no parque, ler poesia ou apenas rir junto. Quanto tempo você ficou sem me olhar com desejo, me diz?”

“Eu abandonei você antes que você pudesse me abandonar.”

“Eu finjo que não ligo, mas eu adoro quando você fala dos seus sonhos. Posso ser durona e independente, mas me derreto toda vez que você sorri para mim. Quando eu digo que não quero, é porque você pediu ou sugeriu em vez de pegar na minha mão e me levar. Sou muito mais flexível do que você pode imaginar, querido. O limite de nossas loucuras não está em mim, mas na sua própria mente. E às vezes eu quero carinho. Não sexo, não conversa, não massagem, não filme, não chocolate, só carinho. Tendo carinho, nada impede de eu querer sexo, conversa, massagem e chocolate no minuto seguinte…”

“Desculpe-me, mas você precisa aprender a meter. Você não me come direito. Abrir a porta do carro, ok. Pagar o jantar, ok. Ser carinhoso, divertido e cuidadoso, ok. Mas na cama eu não quero só carinho e cuidado. Eu quero ser puxada, jogada, levantada. Eu quero sentir sua força. Eu quero ser rendida, calada. Eu quero que você bata em mim. OK?”

“Você tem mau hálito. Pronto, falei!”


Tudo aquilo que ELE não queria falar


“Fiquei 2 anos namorando sua bunda. Incapaz de amor ou cuidado, eu mal ligava para suas histórias, não estava nem aí para sua vida. Seu corpo, entretanto, era uma delícia. Valeu a pena ter ouvido tanta besteira e aguentado tanta encheção de saco!”

“Eu quero você, mas me afasto por medo, preguiça ou confusão. Pra ser sincero, não sei bem o motivo. Se soubesse, não me afastaria! Nesses momentos, tudo o que eu menos quero é ver você se fechando e se distanciando também. Se eu estiver longe, não pense que é porque eu não desejo mais você. Se eu estiver emburrado, o pior que você pode fazer é se emburrar também. Venha sorridente, ignore minha densidade, me faça uma longa massagem, ative meu corpo. Minha seriedade é apatia do corpo. Minha confusão e falta de olhar desejante vem da anestesia. Não é que você esteja feia, sou eu que estou cego, morto, sonolento! Se quiser uma mudança instantânea, não me cobre, não reclame, não chore sozinha no banho. Isso só piora tudo e me deixa ainda mais impotente. Apenas seja viva, dance na minha frente. Confie em mim: eu não sou esse menino medroso. Acredite nisso e chame o homem em mim.”

“Desculpe-me, mas você precisa aprender a dar. Veja, quando eu falo em sexo irrestrito, eu quero dizer sexo irrestrito. Se eu fiz minha parte sendo homem a noite toda, agora é hora de você se soltar completamente. Não fazer isso, não gostar daquilo… Isso é falta de educação, eu diria.”

“Em nossos encontros, eu fiz tudo certo, não é verdade? Dom Juan do início ao fim. Porém, é o seguinte: a minha gentileza não era para você. Eu apenas queria provar para mim mesmo que eu era capaz de seduzir e envolver uma mulher do seu tipo. Testei algumas técnicas de conquista que descobri em livros, agi com você igual tinha agido na noite anterior com outra garota, fiquei feliz com minha perfomance, anotei meus erros. Não foi só você que eu levei àquele restaurante. Eu fui gentil, sim, mas com o meu querido ego.”

Gustavo Gitti


Com Camisinha ?

Ela aceita o jantar e mesmo depois de anos nunca consegue entender como foi parar de pernas para o alto na cama dele.Ele também: agora, suado, sem roupa, mantém a mesma calma que o acompanhou no restaurante. Durante toda a conversa,ele não parou de conduzi-la,atravessá-la,penetrá-la.Quando colocou a camisinha,não foi diferente.

Aliás, o uso de preservativos talvez seja o principal responsável por acreditarmos que o sexo tenha um começo e um fim:

“O mais extraordinário instrumento de controle sobre a vida sexual foi produzido pela Aids, e isso é uma coisa que se fala muito raramente. Tudo bem, camisinha é legal e obrigatório, por mais que o Papa ache que não. O problema é que a maneira de transar mudou completamente. Com camisinha, primeiro você tem que ter uma ereção, depois coloca, depois penetra, depois tem que ficar até gozar, depois tira e joga fora e aí acabou e cada um vai tomar banho. Mas antes disso transar era ficar ali por 20 minutos, pára, bate um papo, toma um café, se beija, se chupa, explora… era uma dinâmica completamente diferente. A relação com o corpo do outro era completamente diferente. As relações sexuais se tornaram caretas e pragmáticas.”

É por isso que atualmente os bons amantes, quando não abandonam a camisinha de vez, gastam três, quatro, cinco camisinhas por noite de sexo. Uma massagem, alguns beijos, uma sessão de penetração, água, mais alguns toques, os dois se chupam, outra sessão de penetração, mais água, um breve cochilo, damascos, mais penetração… E as embalagens de camisinha vão se espalhando pelo chão.

O sexo acaba quando paramos por um copo de água? Damascos tem o poder de interromper o coito? Massagem é preliminar? Mas e se eu uso uma extensão do meu corpo para massagear dentro do corpo dela? “Não faça sexo sem camisinha”, dizem algumas campanhas. Como não? Quem falou que o sexo se reduz à penetração?

Gustavo Gitti

quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011

Namorar é…


Namorar é… esquecer tudo, do nada, como se não houvesse passado algum, só para fazer caber na memória as cenas da noite de ontem.

Namorar é… ter pra quem entregar aquele presente simples que você sabe que faria qualquer mulher feliz, mas que não queria dar pra uma amiga.

Namorar é… consultar a agenda de dança porque música, teatro, cinema, exposição e restaurantes já foram usados como desculpa para vê-la.

Namorar é… aprender a arte de chegar atrasado e até não ir em peças, shows e festas, deixando morrer com gosto o ingresso na carteira.

Namorar é… amar silenciosamente no escuro, sem nenhuma garantia de que o outro realmente está perto de você.

Namorar é… fazer uma compra adicional toda semana, levando só damascos, castanhas, queijos, chocolates e vinho (ok, água sanitária também).

Namorar é… se perder em palavras, jogos de linguagem, metáforas, gestos, imagens, cenas. Confundir arte e vida, ator e personagem.

Namorar é… sorrir enquanto ela decide com qual roupa vai sair, pois você sabe que ela fica mesmo linda quando se veste com seu lençol.

Namorar é… ignorar o elevador e subir 6 andares de escada só porque demora mais, não tem câmera e é mais “divertido”.

Namorar é… ter um motivo para ir ao show do Radiohead MUITO mais importante do que o próprio Radiohead.

Namorar é… se assustar ao ver brincadeiras e ideias malucas virando realidade. “Vamos…?”. Basta o outro dizer “Sim”. Basta isso.

Namorar é… parar, realmente parar. Não fazer nada (nem mesmo nada fazer). A dois, claro.

Namorar é… acordar sozinho com um único pensamento: “Por que mesmo eu não a chamei para dormir aqui?”.

Namorar é… atualizar um Gdoc com anotações e links divididos em “restaurantes”, “locais para dançar”, “ideias” e “presentes”.

Namorar é… ter tempo, muito tempo. Tempo inclusive para fingir não tê-lo, se apressar e fazer caber uma noite em um minuto.

Namorar é… sonhar com uma mulher linda andando ao seu redor, acordar tentando voltar para o sonho e se dar conta que não precisa.

Namorar é… usar email, twitter, blog, sms, caderninho, espelho do banheiro e até google calendar pra deixar recado um para o outro.

Namorar é… escrever no Twitter para 1228 pessoas e ter a certeza de que somente uma entenderá.

Namorar é… dar Ctrl+C no link desse post e enviar para ele(a).

Gustavo Gitti

Você é Incrível!





Esse vale a pena cada minuto gasto pra assisti-lo.

Método supremo de sedução

Diante desse magnetismo impessoal, todos os métodos de sedução perdem o sentido. E, sim, minha motivação aqui é ajudar as pessoas a parar de gastar dinheiro com workshops e cursos desse tipo.O método supremo de sedução se resume a não ter estratégias. Esse é o golpe mais baixo que você pode usar com uma mulher. Vá a um encontro sem estratégias, sem esperar sexo, sem tentar beijar, sem tentar alegrá-la, sem se mostrar perfeito, sem tentar nada, sem esforço.O homem que faz isso sabe que ele não tem poder de criar tesão, amor, paixão, felicidade… Ele sabe que o magnetismo ocorre naturalmente, como que vindo do céu ou da terra. Basta que ele não obstrua esse fluxo com suas tentativas de conseguir algo.

Então ele apenas fica lá e vive, lidando com cada coisa que surge. Se surge timidez, ótimo. A timidez não é problema algum pois ele não está tentando nada. Então ele pode até confessar sua timidez, rir dela com a mulher, fazer um brinde à timidez e então abrir espaço para que outras coisas surjam no lugar da timidez. Não há oposição, luta, desconforto ou ansiedade de mudar, ingredientes que fariam a timidez crescer e imperar.

Ele vai sem a pretensão de fazer a diferença na vida da mulher. É por isso que às vezes as pessoas dizem: “Não dê a mínima, não ligue, não mostre que está interessado, aí sim elas ficam loucas”. Não é bem a indiferença ou a sensação de que algo mais precisa ser feito para fisgá-lo (ainda que isso exista na superfície), mas é a leveza de ter alguém ao seu lado que não precisa de você e de quem você não precisa. Isso é muito mais excitante do que imaginamos. No fundo, odiamos quando alguém precisa de nós e não suportamos quando precisamos de alguém porque sentimos que estamos sendo um incômodo. Desejamos apenas estar, sem nada puxando (de dentro ou de fora). É assim que começa uma boa relação.

Desistir da responsabilidade pela felicidade dos outros. E não só da felicidade. O mesmo processo se aplica ao prazer sexual…

Como parar o mundo


Você já quis parar o mundo? Pois saiba que o melhor momento para aprender a pausar a vida é ironicamente aquele em que mais você quer seguir vivendo.

Durante o sexo ou no meio de uma briga, às vezes desejamos interromper o fluxo dos fenômenos. Enfiar a cabeça no chão, nos momentos ruins, ou congelar a cena para a eternidade, nos bons. Tentativas sempre frustradas por uma espécie de ansiedade, uma urgência de abocanhar o prazer ou de tentar resolver uma situação dolorida. Ironicamente, mesmo quando tudo o que queremos é apertar pause, colocamos ainda mais força no botão de play.

O andamento da noite foi acelerado. Eles saíram atrasados para o Forró in the Dark, dançaram até pingar, comeram pouco antes de fecharem o restaurante e foram para casa transar, um pouco ansiosos, distraídos, apressados. Enquanto ele metia de lado, por mais gostoso que fosse, ambos sabiam o que estavam fazendo, já haviam passado por isso incontáveis vezes, já podiam antecipar o desfecho.

Sem que ela entendesse, ele parou. Agarrado, ainda dentro, como que travando qualquer outro movimento. Antes de conseguir perguntar “O que foi?”, sua mente foi catapultada para onde a mente dele já estava. Ele a pegou pelo pescoço e virou. Ficaram se olhando e se cheirando enquanto se lembravam de si mesmos, do quanto não entendiam nada do que estava acontecendo, do quanto já estavam ali, felizes, colados e relaxados, mesmo antes enquanto estavam dispersos no carro.

Sem que ninguém falasse, o que se ouviu foi uma mistura de “Eu estou aqui”, “Quem é mesmo você?” e “Eu te amo a ponto de não saber o que isso significa”.

Depois aprenderam a parar o mundo sem necessariamente parar o corpo. Para ele, a catapulta começava com os olhos. Não piscava, quase desfocava, alternando entre se fixar nos olhos e atravessá-la, como se mirasse uma paisagem a 9 quilômetros exatamente atrás de sua nuca. Para ela, a catapulta era sentir a extensão quase infinita do próprio corpo e das sensações como se habitasse o corpo de outra pessoa, como uma simulação. Ao tentar se afastar, ela acessava ainda mais diretamente a realidade.

Às vezes é impossível brigar em apenas um cômodo da casa. Impossível olhar nos olhos do outro. Ela começa a se aprontar e vai freneticamente do banheiro para a lavandeira, do quarto para a sala. Ele finge ignorar a briga e fica respondendo da cozinha, enquanto bebe água sem estar com sede, e depois da sala, enquanto liga o computador sem saber por quê.

Não importa o que se diga, as falas dificilmente surgem além do horizonte de significação do problema, do mundo particular que reduz o foco dos olhos e sequestra pulmões. A briga acontece sempre com algum nível de alucinação, como se estivéssemos em um estado especial de REM. Ainda assim, é possível abrir a janela e repousar os olhos revirados no céu. Lembrar que estaremos todos mortos daqui a pouco. Admitir que nosso marido ou esposa não são nosso marido ou esposa; são apenas alguém que decidiu brincar um tempo conosco.

De um cômodo a outro, há uma espécie de bardo, limbo, entre-mundo: o corredor. Se a cozinha serve para algumas ações, se o escritório define o que podemos ali fazer, o corredor é o cômodo por excelência do não-fazer.

É ali que podemos descobrir que o melhor jeito de resolver uma briga é não resolver nada, mas olhar o mundo no qual a briga acontece como se déssemos zoom out na própria casa. Ao fazer isso descobrimos a liberdade de criar mundos, nos divertimos com as dinâmicas possíveis da relação e nos relacionamos com a liberdade do outro, com aquilo nele que pode brincar de ser esposa e marido e de se perder nos conflitos entre tais personagens.

Com o mundo parado, podemos até voltar para a briga, mas agora estaremos com os dois pés no chão, não mais dentro de nossas cabeças.


sexta-feira, 4 de fevereiro de 2011

Os tipos de homens


O Cordeiro

Esse é o primeiro tipo de homem e a algum tempo atrás foi o mais comum. Entretanto hoje em dia, ele está cada vez mais raro conforme o depoimento da maioria das meninas. O Cordeiro tecnicamente é o melhor "tipo" de homem. Ele, normalmente é pacato, amoroso, fiel, dedicado e são ótimos pais. Com o Cordeiro, vocês mulheres podem ter certeza da fidelidade, ele provavelmente vai amá-la para toda a vida, nunca olhará para outras mulheres - às vezes pode até procurar umas gostosas peladas na internet ou nas bancas de jornais, mas ele nunca terá fotos de mulher pelada no computador que vocês compartilham - e o máximo em programa para ele fazer sem você é curtir o futebol na TV tomando uma cervejinha gelada sozinho, nunca com os amigos, isso se ele bebe ou tem amigos!

Ele provavelmente a acordará com um delicioso café da manhã ou deixará um bilhetinho singelo e romântico nos lugares mais inusitados para surpreendê-la. Ele a amará pelo resto da vida incondicionalmente. Seria o homem perfeito (e eu acho que é mesmo) se não fosse o problema mais comum que esse "tipo" de homem possui conforme a opinião da maioria das mulheres: "ele não tem química". Pois é, geralmente quando uma mulher me conta que conheceu um Cordeiro, eu a aconselho a ficar com ele e sempre escuto a tal frase que o cara não tem química. Contraditório isso não? Geralmente é o que acontece mesmo, as mulheres evitam os Cordeiros em benefício de um dos outros dois "tipos" de homem a seguir, o que muitas vezes pode ser doloroso. Mas não adianta aconselhar, o Cordeiro não é o preferido das mulheres, mesmo eu achando que deveria ser.


O Lobo em pele de Cordeiro

O nosso segundo "tipo" de homem é o mais comum por ai. Quando uma mulher reclama de um cara que não liga e a deixou na geladeira, é deste tipo de homem que ela está se referindo. O Lobo em pele de Cordeiro é o meio termo, ele não sofre o problema de química do Cordeiro, mas em contragosto - à princípio - não tem as mesma características tão atrativas do nosso primeiro tipo de homem. Ele nem é tão bonito e atraente quanto o terceiro tipo, mas possui um charme que geralmente seduz as mulheres. Ele é bom de papo e habilidoso na sedução e agrada na maioria das vezes. Ele dá suas mancadas de vez em quando, mas no geral ele vai bem! O problema do Lobo na pele de Cordeiro é que ele quase nunca deixa o bilhetinho romântico ou quase nunca dispensaria os amigos do futebol para ir naquele chá de bebê da sua melhor amiga (coisa que o cordeiro faria de bom grado). Tá certo que isso não o melhor dos programas para um homem, mas uma vez ou outra ele poderia fazer só para ser mais atencioso. Só que ele não é assim. O Lobo em pele de Cordeiro pode até vir a ser seu namorado sério, a tarefa será árdua., mas não impossível. Ele gosta da vida de solteiro por natureza, normalmente tem vários casos na geladeira e só vai namorar depois de se convencer que você vale a pena. Se a garota conseguir, poderá se gabar da proeza pois retirar um solteiro convicto da batalha não é fácil. Sua vida com ele será animada e bastante feliz e pode até ser que ele apronte das suas de vez em quando, mas se souber levar a relação, principalmente a base de muito sexo de qualidade, talvez ele se aposente definitivamente. Ele será capaz de amar, mas muitas vezes variar é muito atrativo e por isso a tarefa pode ser árdua. As mulheres são naturalmente atraídas por esse tipo e ele é bem mais acessível que o terceiro tipo. Mulheres experientes vão saber identificá-los e não se arrependeram de conhecê-lo, mesmo ficando um pouco desconfiadas de vez em quando. Quem se arrisca?


O Lobo


O terceiro "tipo" é a "essência do mal". Ele carrega tudo de "ruim" que um homem pode ser no trato com as mulheres, mas mesmo assim é o mais desejado. Vai se entender o porque disso não é mesmo? Vamos tentar explicar. Ele é o cara gato, lindo, bonito e gostoso que você vê nas melhores festas raves e boates caras por ai, com raras exceções. O tipo dos sonhos das mulheres! Ele têm o cabelo ultra na moda, usa os óculos escuros e roupas das marcas mais sacadas do momento e possui um abdômen invejado pelo Brad Pitt. Ele geralmente tem o carro compatível com a sua aparência, mas não necessariamente. Gostoso assim quem precisa de carro não é mesmo? Ele é incrivelmente popular e quando chega todos reparam, homens e mulheres. Ou seja, o cara é tudo de bom, o galã das novelas não é meninas? Todavia, com essas características maravilhosas, o que leva o Lobo a ser tão errado assim? O problema do Lobo é que ele é o galinha convicto e faz questão de mostrar isso aos quatro ventos. As mulheres - as mais gatas claro - são apenas números. Nunca espere que um Lobo venha ligar no dia seguinte pois isso não vai acontecer. Você foi a 1238ª conquista dele naquele mês e se contente com isso. Neste momento ele deve está imaginando o quanto você teve sorte! Provavelmente você teve sorte mesmo pois o sexo com o Narciso deve ter sido incrível (por uns 15 minutos talvez), só não ache que vá rolar namoro pois isso também não vai acontecer. Se você convencer um Lobo a namorar, jogue na loteria pois a chance de ganhar é enorme! Provavelmente será a sorte grande, não pela sorte de ficar com ele em si, mas pelo dinheiro que você vai precisar para aparar as galhadas! Caras assim até casam, mas provavelmente terão infinitas amantes e quando a maré estiver baixa, as prostitutas de luxo farão a festa!

Fonte : Sexy Help Desk